Carrinho

Seu carrinho de compras está vazio
Visite a loja

Facebook

Pagamento

Posts

Lugares

Trakar - Lituânia Argentina, Ushuaia

2. Filosofia humanística

thinkerprofPara muitos ou quase todos os filósofos fugir de analisar o principio tornou se uma regra, ao compreenderem que estariam fadados a apresentar o homem como um dos piores, ou o pior animal sobre a face da terra. Vou tentar continuar a minha análise do principio, onde serei guiado pela intuição e ajudado por quem sempre me ajudou.

Temos então uma besta “humana”?  Ou só uma besta? Os milênios foram passando, e eis que a besta, desconfiando de que não devia continuar a ser o que era (apesar de não saber o que era), inspirada por alguém ou alguma coisa, principiou a considerar-se filho de um ente superior.  Estava assim, sem muito teatro ou declaração bombástica, começando a surgir, o que mais tarde levaria o nome de religião. É exatamente assim a religião foi descrita no “Dicionário Michaelis” – serviço ou culto a DEUS ou a uma divindade qualquer.

Os milênios passando e o homem, degrau por degrau, conseguindo camuflar os seus instintos bárbaros, e, evoluindo materialmente, passou a se abster de pensar com humanismo nos seus semelhantes. O “eu”, “eu” e “eu” sempre foi o mais importante para o homem; que já tinha há milênios essa tendência egoísta de viver. Creio que a frase real que deveria ser dita nessa época, seria, “tudo para mim, e o resto que se dane!”.

As religiões foram surgindo, para ajudarem aos homens a melhor camuflar as suas tendências egoístas. Os religiosos sempre tinham cuidado, para não falarem sobre as reais tendências dos homens; perdoando-os dos pequenos, médios e grandes pecados, achando-os naturais.

Os grandes e poderosos, passaram a ter a certeza que tinham um cúmplice, ou sócio, nas organizações religiosas; que passaram por isso, graças a eles, a se tornarem também ricas e poderosas.

Estou dando um pobre exemplo do que se passou desde que o homem bárbaro chegou a terra, e como se transformou em “civilizado”, com a ajuda das religiões.

A filosofia humanística tem como diferença das outras filosofias, tentar dar menos possibilidades aos descrentes da verdade de terem algum argumento de peso quando as minhas palavras seriam seriamente contestadas.

 Aos diversos filósofos religiosos: por que vocês nunca falaram seriamente em humanismo? Por que para vocês, o ser ou não religioso é como o ser ou não ser humano, apesar de vocês saberem que a religião e o humanismo, não andam nunca de mãos dadas.

Armando Costa Rocha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *